quarta-feira, agosto 20, 2008

...às Portas de Ródâo


"Em Vila Velha de Ródão a natureza impõe-se ao homem e surpreende-o pelo vigor das suas formas agrestes e voluptuosas, berço de pedra onde o Tejo se deita."

Encontrei estas palavras numa publicação do Centro Municipal de Cultura e Desenvolvimento de VVR e fez-me lembrar o que senti da primeira vez que fui a esta vila. Jovem adolescente, fiz a viagem de comboio pela linha da Beira Baixa, partindo de V.N. da Barquinha e subindo sempre com a companhia do Rio Tejo.
Lembro-me de comentar com os amigos de como me sentia 'esmagada' pela paisagem; circulando junto ás margens do rio, na base destes montes rochosos sentia-me minúscula.
Era a paisagem que me 'invadia'.

Hoje, ao voltar, vinte e alguns anos depois, as sensações são diferentes. A abordagem de automóvel não é tão espectacular. Mas a calma, o calor e a imponência do local mantém-se.
Tudo parece andar com calma por aqui, e sabe tão bem...
Pena que as duas ou três horas que passámos aqui foram 'minusculas' para tudo o que eu queria ir ver e 'invadir' nesta região.

Rio Tejo a montante das Portas

Linha de Cumeada das Portas

Rio Tejo a Jusante
Da Torre (custa-me chamar-lhe castelo) vê-se na margem esquerda do Tejo este amontoado de calhaus rolados (conhos) restos visíveis de uma antiga exploração aurífera.


Capela de N. Sra do Castelo (sec. XVII)

Castelo templário do rei Wanba, 'requalificado' muito recentemente


Numa voltinha pela Vila e já que não consegui descobrir a casa dos amigos onde fiquei noutros tempos, fiquei a saber que Manuel Cargaleiro era de uma aldeia do concelho, Chão das Servas.



Centro de artes

e troncos de árvores fossilizados num jardinzinho nas trazeiras do Centro

Descendo ao Rio, encontrámos um nome familiar... :-)

E finalmente a anedota do dia:

Numa infrutifera tentativa de captar a atenção dos filhotes para o valor do património tanto paisagístico como natural e arquitectónico, chamo-lhes a atenção para esta parede, do quanto ela deveria ser antiga e do modo como eram feitas as paredes aqui.

- 'Mãããe, então tu também já deves ser muito antiga....'

(numa pequena inscrição, em baixo na parede, estava marcada uma data, que eu nem sequer fotografei - 1964)

Fiquei mais descansada, parece que eles prestam mais atenção do que eu :))

7 comentários:

Anónimo disse...

Belo registo, sim senhora, adorei a foto das canoas, manda para o CM, passatempo de verão.

V

Maria Lua disse...

Crix,

lindo, lindo este nosso Portugal!
E que inveja a minha...
Bom final de semana.
:-)

Jardineira aprendiz disse...

Ops! :D

As fotos, nem é preciso dizer, estão lindas, como de costume.

Crix disse...

Obrigada a todos mas o mérito (como diz a Maria) é deste nosso Portugal, que é linnndo...

edite disse...

Parabéns pelos seus testemunhos e pela forma magnifica como descreveu este concelho que cativa e apaixona aqueles que o visitam... sou natural de Vila Velha de Ródão e acabei de citar a mesma frase da minha amiga Graça Batista num texto que estou a escrever. Viagens do Olhar, 2001 foi uma obra especial para muitos rodenses e em especial para nós as duas... a Graça pelo legado literário que nos apresentou e eu como Presidente do Centro Municipal de Cultura.
Se adquiriu o livro releia a apresentação.
Um beijinho, Edite

edite disse...

seria muito atrevimento da minha parte se respeitosamente lhe pedisse o envio das fotos de Ródão e autorizacao para utilizar 5 ou 6 delas num site ligado ao ambiente e percursos turisticos? assim que tiver o documento pronto envio.lhe uma copia. Bem haja, editecandeias@hotmail.com

Edite disse...

Ola Crix...
Ontem fui colocar a minha cache no castelo do rei wamba... obrigada pelas suas fotos... ainda nao submeti o texto ao geocaching, penso faze.lo hoje...
assim que estiver disponivel darei noticias...
Um grande beijinho Crix... e continue a divulgar os recantos do nosso pais desta forma tao especial e maravilhosa como a crix o sabe fazer...